CAMONIANA 4.09

  • Mas, conquanto não pode haver desgosto
    Que se exprima tão claro nesta face,
    Vou me negar ceder a este impasse,
    Per quanto vos oculte o próprio rosto.
  • Eu perco minha vida, que é meu posto,
    Pois mesmo vivo sem que me trespasse
    É mais que morte, enorme meu repasse
    De tudo o que da terra tomei gosto.
  • Avergonha que encarna minha fronte
    Não é outra miséria a que sucumbo,
    É mais um tributo vosso humilhante,
  • Penitência que rude a um insonte
    Impondes como manto feito em chumbo,
    De que me dispo quando Deus perante.
  • Belo Horizonte 11 de julho de 1998.

Camonianas
"Quatro sonetos de Luís de Camões dão origem a 56 composições em que o poeta Públio Athayde desenvolve sugestões de cada um dos versos da significativa tetralogia. Tomado como primeira frase dos novos poemas, o verso do grande luso é o mote que conduz o desempenho do sonetista ouro-pretano no virtuosismo de uma delicada, difícil e audaciosa operação."
O soneto acima e toda a série Camonianas estão no livro; para adquirir, clique no link ou no livro. Sugestão de presente!

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Todo autor precisa de um parceiro, seu revisor de textos.

Todo autor precisa de um parceiro, seu revisor de textos.
Keimelion - revisão de textos - há mais de dez anos revisando todo tipo de texto.

Uma celebração camoniana

Ângelo Oswaldo


Quatro sonetos de Luís de Camões dão origem a 56 composições em que o poeta Públio Athayde desenvolve sugestões de cada um dos versos da significativa tetralogia.
Tomado como primeira frase dos novos poemas, o verso do grande luso é o mote que conduz o desempenho do sonetista ouro-pretano no virtuosismo de uma delicada, difícil e audaciosa operação.
Com domínio das artes poéticas e conhecimento atilado do estilo, vocabulário e gramática da era quinhentista, Públio Athayde celebra a admiração pela herança maior da poesia de língua portuguesa ao desdobrar, verso a verso, a emoção e o engenho do vate.
Como num jogo de espelhos em galeria de ecos, as estrofes redimensionam o encantamento do verso camoniano, auscultando-lhe a sonoridade e mergulhando em sua paixão.
"Agoas claras que das fontes vem", os sonetos escritos entre 1996 e 1998 revelam a erudição notável e a fina sensibilidade do autor.
Ao evocar "despojos doces do meu bem passado", ele restabelece o culto do amor tal como ensinado pelo sacerdote supremo da alma gentil.
Oferece-nos uma realização admirável, que rende merecida e necessária homenagem a Camões, na aurora do quinto centenário da transplantação da língua portuguesa para as terras luminosas de Pindorama.